THE LEARNING PROCESS OF ENGLISH LANGUAGE THROUGH TRANSMEDIA STORYTELLING

THE LEARNING PROCESS OF ENGLISH LANGUAGE THROUGH TRANSMEDIA STORYTELLING

Stephany Camile Santos Rezende 1, Sophia Carvalho da Anunciação2, Soraya Andreotti Tasca Diniz³

RESUMO

Grande parte dos alunos do ensino público tem dificuldade em aprender o conteúdo da Língua Inglesa. Para tentar diminuir essa problemática, faz-se necessária a implantação de metodologias alternativas. Nesse trabalho, foi pensada a utilização de uma metodologia diferenciada, a Storytelling em educação, que ajuda na aquisição e construção do conhecimento, por meio de histórias colaborativas e interativas. Com o intuito de incentivar o aprendizado da Língua Inglesa nas turmas de terceiro ano da Fundação de Ensino de Contagem-FUNEC, unidade Cruzeiro do Sul, a metodologia foi empregada e avaliada. Os resultados tiveram um desempenho satisfatório, e a utilização da metodologia auxiliou na compreensão do conteúdo.

Palavras-chave: Narrativa transmídia; Língua Inglesa; Storytelling.

ABSTRACT

Most public school students have difficulty learning English language content. To try to reduce this problem, it is necessary to implement alternative methodologies. In this work, the use of a differentiated methodology, Storytelling in Education, was thought of, which helps in the acquisition and construction of knowledge through collaborative and interactive stories. In order to encourage the learning of the English language in third-year classes at the Fundação de Ensino de Contagem-FUNEC, Cruzeiro do Sul unit, the methodology was used and evaluated. The results had a satisfactory performance, and the use of the methodology helped in the understanding of the content.

Keywords: Transmedia narrative; English language; Storytelling.

1- Estudante do Ensino Médio da FUNEC Cruzeiro do Sul, e-mail: stephany20020815@gmail.com; 2- Estudante do Ensino Médio da FUNEC Cruzeiro do Sul, e-mail: sophianunciacao@gmail.com; 3- Graduada em Letras – Português e Inglês / Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais 1984, e-mail: soraya.atasca4@gmail.com

1.       INTRODUÇÃO

Contar histórias sempre foi um costume antigo. As pessoas usam a narrativa verbal para transmitir costumes, mitos e crenças ao seu povo. Portanto, a informação é passada de geração em geração, mantendo os ensinamentos vivos. No entanto, conforme Figueiredo (2014), “esta forma de transmissão de conhecimentos, nunca desapareceu, simplesmente foi se adaptando à evolução dos tempos e das tecnologias disponíveis, o que reforça a importância desta forma de transmissão de conhecimentos” (FIGUEIREDO, 2014).

Hoje, com o advento das eras, tecnológica e da informação, essa estratégia passou a se mesclar com as formas, atual e tradicional, adotando novas maneiras e possibilidades. Segundo Figueiredo (2014), a narrativa digital – Digital Storytelling – se transformou num novo estágio evolutivo da narrativa tradicional, tendo a capacidade de enriquecer as histórias com recursos de som e imagem, sendo um aliado no ensino. Nessa perspectiva, para aprimorar os métodos educacionais tradicionais, faz-se necessário utilizar métodos alternativos. Em outras palavras, encontrar formas que se adequem ao público-alvo para um melhor ensino e aprendizagem.

O método escolhido leva em consideração o fato de que os educadores transmitem as informações e precisam encontrar as melhores formas de apresentar esse conhecimento. No contexto educacional, o conteúdo deve ser apresentado de forma simples, para que os alunos compreendam e aprendam o que está sendo apresentado. Desse modo, foi pensada uma abordagem diferenciada, Storytelling em educação, que auxilia na aquisição e construção do conhecimento por meio da colaboração e da narrativa interativa.

Este trabalho tem como objetivo estudar a eficácia do uso do Storytelling em sala de aula, aplicando essa estratégia nos terceiros anos do Ensino Médio da FUNEC, tendo como foco o aprendizado da Língua Inglesa.

2.       METODOLOGIA

No presente trabalho foi realizada uma pesquisa aplicada, termo definido por Barros e Lehfeld (2000), em que visa à solução mais ou menos imediata do problema encontrado na realidade.

Além disso, a abordagem é de natureza qualitativa e quantitativa, na qual foram utilizados questionários para a coleta de dados com perguntas objetivas e, a partir daí, houve uma interpretação dos fenômenos. O trabalho foi contemplado com quatro questionários, que foram respondidos pelos alunos, durante todo o processo, ou seja, no início, no desenvolvimento e no final do trabalho.

O questionário final foi aplicado com a intenção de avaliar a metodologia Storytelling em sala de aula, na visão dos alunos. Buscando analisar se ajudou ou não na compreensão das matérias e quais dificuldades eles encontraram para se adaptar a essa metodologia. Todos os dados foram analisados no Google Forms.

A aplicação dessa pesquisa foi realizada na FUNEC, unidade Cruzeiro do Sul, localizada no bairro JK, em Contagem-MG, sendo efetuada nas duas turmas do terceiro ano do Ensino Médio, com um total de 57 alunos. No entanto, devido à situação atual, decorrente da pandemia de Covid-19, não foram todos os alunos que participaram deste trabalho.

3.       RESULTADOS E DISCUSSÕES

O resultado apresentado a seguir se refere aos questionários aplicados nos terceiros anos, a partir da implantação do Storytelling, sendo indagado sobre a eficácia dessa metodologia nas salas de aula.

Assim, pode-se observar os resultados na Figura 1, após uma análise realizada, em que a questão considerada foi se a narrativa relacionada ao ensino da Língua Inglesa ajuda a desenvolver um maior interesse pela língua.

Image

Figura 1: Resultado em porcentagem (%) se o Storylling ajuda a desenvolver um maior interesse pela língua

Analisando a Figura 1, pode-se perceber que de um total de 24 alunos, 79,2% acreditam que sim, o Storytelling ajuda a desenvolver mais o interesse pela língua, 12,5% dos alunos acham que não ajuda, e 8,3% não conseguiram assistir. Portanto, há algumas justificativas para esses achados a seguir:

Com a aplicação do Storytelling, os alunos têm o benefício de praticar duas, das quatro habilidades de linguagem, reading e listening. Conforme o quadro abaixo, questionou-se aos alunos se eles tiveram alguma dificuldade em relação às narrativas, e o resultado foi o seguinte:

Figura 2: Resultado em porcetagem (%) das dificuldades que os alunos tiveram

Nota-se que a maioria dos alunos não encontrou dificuldades em relação às narrativas. No entanto, 37,5% possuíram dificuldade no listening, 16,6% encontraram dificuldades relacionadas à reading, e 8,3% não assistiram. Diante das respostas apresentadas, verifica-se que os alunos que vivenciaram algumas dificuldades apresentaram certa deficiência no domínio das quatro habilidades. Esse resultado pode estar diretamente relacionado à porcentagem de pessoas que não acreditam que as histórias ajudam a desenvolver um maior interesse pela língua.

A próxima questão do questionário final retrata, graficamente, o avanço nos estudos que os alunos perceberam, com o uso da metodologia. Observa-se o seguinte gráfico:

Figura 3 Resultado em porcentagem (%) dos alunos que notaram algum avanço em seus estudos

A partir da análise do gráfico, verifica-se que 50% dos estudantes indicaram que a história auxiliou no avanço em seus estudos. Por outro lado, 37,5% consideraram que a história não auxiliou, e 12,5% não assistiram ao vídeo. Percebe-se, portanto, que a metodologia auxiliou grande parte das turmas no avanço de seus estudos.

Por fim, foi questionado qual era o posicionamento das turmas em relação ao uso do Storytelling, disponibilizando três opções: ajudou na aprendizagem, dificultou o aprendizado, e neutro.

Image

Figura 4 Resultado em porcentagem (%) da opinião dos alunos sobre a eficacia do Storytelling

Observando-se o gráfico, fica evidente que nenhum dos alunos acredita que o uso da narração dificulta o aprendizado, e que 58,3% acreditam que a aplicação dessa ferramenta auxilia no aprendizado, restando-se, apenas, 41,7% neutros sobre o assunto. Em suma, constatou-se a partir de todos os resultados apresentados, que a metodologia Storytelling teve um desempenho positivo para a maioria dos alunos, e que grande parte destes conseguiu avançar nos estudos com essa metodologia.

4.       CONCLUSÃO

Diante do exposto, pode-se concluir, com base na pesquisa, que a maioria dos alunos teve uma avaliação positiva em relação à implementação da narrativa, eles afirmaram que seus estudos estavam progredindo, e que a metodologia estava ajudando-os a aprender, atingindo assim o objetivo do projeto.

Ressalta-se que a aplicação do Storytelling teve bons desfechos, pois alguns alunos deram feedbacks, afirmando-se que os resultados foram melhores em seus estudos, após a intervenção realizada, ou seja, o uso dessa ferramenta em sala de aula pode ser eficaz.

Presume-se que, em condições normais, aulas com o uso de contação de histórias beneficiariam ainda mais as turmas, aumentando a interação professor-aluno e tendo a participação de mais pessoas. No entanto, com a situação atual, ocorreram vários imprevistos que não impediram, mas afetaram de alguma forma o processo.

Por fim, conclui-se que o Storytelling utilizado como ferramenta educacional de forma planejada e sistemática, em que o contexto das histórias seja algo próximo da realidade dos alunos, terá resultados satisfatórios, visto que quando bem aplicada, esta metodologia facilita e dinamiza a aprendizagem, favorecendo o pensamento crítico, reflexivo e criativo do aluno, além de despertar maior interesse pelos temas, maior engajamento, melhor assimilação e fixação dos conteúdos.

5.       REFERÊNCIAS

APPOLINÁRIO, F. Dicionário de metodologia científica: um guia para a produção do conhecimento científico. São Paulo: Atlas, 2004.

BARROS, A. J. S. e LEHFELD, N. A. S. Fundamentos de Metodologia: Um Guia para a Iniciação Científica. 2. ed. São Paulo: Makron Books, 2000.

BERTOLDI, M.; PALLÚ, N. M.    Ensino e aprendizagem de língua inglesa: a importância dos temas transversais. In: Cadernos PDE – Versão on-line. Os desafios da escola pública paranaense na perspectiva do professor PDE. Paraná: Governo do Estado/Secretaria da Educação, 2013. Disponível em: < http://www.diaadiaeducacao.pr.gov.br/portals/cadernospde/pdebusca/producoes_pde/2013/2013_unioeste_lem_artigo_maristela_bertoldi.pdf. Acesso em: 11 set. 2020.

BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais: terceiro e quarto ciclos do ensino fundamental: temas transversais. Brasília: MEC/SEF, 1998. Disponível em: < http://basenacionalcomum.mec.gov.br/images/pcn/ttransversais.pdf>. Acesso em: 15 set. 2020.

FIGUEIREDO, J. C. T. Digital Storytelling no eLearning: estudo de caso da sua aplicação a um módulo no ensino superior. Lisboa: Universidade Aberta/ Departamento de Educação e Ensino a Distância, 2014. Disponível em: < https://core.ac.uk/download/pdf/303041891.pdf>. Acesso em: 25 set. 2020.

LAMBERT, J. The Digital Storytelling Cookbook. Berkeley: Center for Digital Storytelling/ Digital Diner Press, 2010. Disponível em: < https://wrd.as.uky.edu/sites/default/files/cookbook.pdf>. Acesso em: 11 set. 2020.

MACHADO, S. M.; et al. Pesquisa Científica: conhecimento e percepção dos acadêmicos de Administração em Caxias do Sul. In: E-Tech: Tecnologias para Competitividade Industrial, Florianópolis, v. 9, n. 2, 2016. Disponível em: < file:///C:/Users/382957/Downloads/787-Texto%20do%20artigo-2627-1-10-20161212%20(1).pdf>. Acesso em: 18 set. 2020.

MORAN, J. M. A educação que desejamos: novos desafios e como chegar lá. 4. ed. Campinas: Papirus, 2009.

PALLÚ, N. M. Que inglês utilizamos e ensinamos? Reinterpretações de professores sobre o processo de ensino e aprendizagem do inglês contemporâneo. Curitiba: Biblioteca da UNIOESTE – Campus de Marechal Cândido Rondon – PR., Brasil 2013. Disponível em: < https://acervodigital.ufpr.br/bitstream/handle/1884/29766/R%20-%20T%20-%20NELZA%20MARA%20PALLU.pdf;jsessionid=C6AC3D30A2947D06C9FB605EB81A0B0E?sequence=1>. Acesso em: 19 set. 2020.

PEREIRA, A. M. Tecnologia x educação. Rio de Janeiro: Universidade Cândido Mendes/ AVM Faculdade Integrada, 2011. Disponível em: < http://www.avm.edu.br/docpdf/monografias_publicadas/C203090.pdf>. Acesso em: 22 set. 2020.

ROBIN, B. Digital Storytelling: A Powerful Technology Tool for the 21st Century Classroom. Houston: University of Houston, 2008. Disponível em: < http://digitalstorytellingclass.pbworks.com/f/Digital+Storytelling+A+Powerful.pdf>. Acesso em: 10 set. 2020.

RODRIGUES, M. B. A importância da inclusão digital no ambiente escolar e na aprendizagem. Roraima, 2013.

ROVADOSCHI, G.; MENEZES DE JESUS, A.; BARRETO, P. M. Storytelling na educação a distância: o cotidiano na construção do conhecimento. Rio Grande do Sul: UNILASALLE, 2019. Disponível em: < http://www.abed.org.br/congresso2019/anais/trabalhos/34476.pdf>. Acesso em: 15 set. 2020.

SANTOS, J. O ensino aprendizagem da língua inglesa no ensino médio. In: Estudos Anglo-Americanos número 37. Porto Seguro: Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Bahia – Campus Porto Seguro, 2012. Disponível em: < file:///C:/Users/382957/Downloads/1619-6222-1-PB.pdf>. Acesso em: 18 set. 2020.

SANTOS LIMA, V. O ensino da língua inglesa em uma escola pública do ensino médio. Amargosa: Universidade Federal do Recôncavo da Bahia – Graduação em Letras Libras/Língua Estrangeira, 2016. Disponível em: < http://www.repositoriodigital.ufrb.edu.br/bitstream/123456789/1073/1/TCC%5B5%5D.pdf>. Acesso em: 20 set. 2020.

SILVA,  D;  SILVA,  V.  CORREA  SOBRINHO, M. Organização de Atividades com Objetos de Aprendizagem: Um Estudo de Caso. In: Nuevas Ideas en Informática Educativa TISE 2015. Santarém: Centro Universitário Luterano de Santarém, 2015. Disponível em: < http://www.tise.cl/volumen11/TISE2015/397-403.pdf>. Acesso em: 19 set. 2020.

SILVA, J. A. L.; OLIVEIRA, F. C. S.; MARTINS, D.J. Storytelling e gamificação como estratégia de motivação no ensino de programação com Python e Minecraft. In: XVI SBGames – Curitiba – PR – Brazil, November 2nd – 4th, 2017. Curitiba: Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Sertão Pernambucano – Campus Petrolina-PE, 2017. Disponível em: < https://www.sbgames.org/sbgames2017/papers/CulturaShort/174214.pdf>. Acesso em: 18 set. 2020.

SILVA, J. C. P. N. Digital Storytelling em contexto de formação profissional: um estudo de caso. Aveiro: Universidade de Aveiro/Departamento de Comunicação e Arte, 2012. Disponível em: < https://ria.ua.pt/bitstream/10773/9811/1/Disserta%C3%A7%C3%A3o.pdf>. Acesso em: 19 set. 2020.

SOMMER, E. O gosto pela leitura através da contação de história. Curitiba: Secretaria de Estado da Educação/ Superintendência da Educação /Diretoria de Políticas e Programas Educacionais/ Programa de Desenvolvimento Educacional, 2009. Disponível em: < http://www.diaadiaeducacao.pr.gov.br/portals/cadernospde/pdebusca/producoes_pde/2008_utfpr_port_artigo_elfride_sommer.pdf>. Acesso em: 22 set. 2020.

TAVARES, D. P. O storytelling como estratégia na representação do conhecimento: estudo de caso das hipermídias do projeto e-tec idiomas.Pelotas: Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Sul-Rio- Grandense – Campus Pelotas, 2016. Disponível em: <http://biblioteca.ifsul.edu.br/pergamum/anexos_sql_hom81/000024/0000248e.pdf>. Acesso em: 24 set. 2020.

TEIXEIRA, J. R.; RAMOS DA SILVA, V. Inglês e a escola pública: um estudo do real. In: Revista do Programa de Pós-Graduação em Humanidades, Culturas e Artes –UNIGRANRIO.Rio de Janeiro: Unigranrio, 2017. Disponível em: < http://publicacoes.unigranrio.edu.br/index.php/magistro/article/view/2983/2394>. Acesso em: 21set. 2020.