ANÁLISE MICROBIOLÓGICA EM DISPOSITIVOS DE VENTILAÇÃO MECÂNICA, EM RELAÇÃO À DISPERSÃO DE PATÓGENOS

ANÁLISE MICROBIOLÓGICA EM DISPOSITIVOS DE VENTILAÇÃO MECÂNICA, EM RELAÇÃO À DISPERSÃO DE PATÓGENOS

Ana Silvia de Oliveira Cerutti¹; Leonardo Eugenio Quaresma Pedra²; Jefferson Rodrigues3; Rodrigo Lobo Leite4

RESUMO

Algumas bactérias, fungos e outros microrganismos patogênicos se encontram presentes em diversos locais e objetos do cotidiano de pessoas, em todo país, o que facilita a propagação desses patógenos em larga escala, permitindo maior contaminação de pacientes, via oral e respiratória, em contatos com os mesmos. Tal fato tem acometido vários indivíduos em áreas hospitalares, agravando seus quadros de saúde. Esse agravamento pode se originar de infecções, podendo, assim, levar a óbito. Logo, essa ocorrência necessita de ser estudada, para que ganhe maior visibilidade, uma vez que nesses locais há pessoas com variadas doenças, dentre essas, algumas que causam a imunossupressão. Podem-se, ainda, contrair infecções secundárias por intermédio dos meios de ventilação mecânica em hospitais, como ventiladores e ares-condicionados, dificultando, dessa forma, o tratamento e recuperação do paciente. O projeto em questão é focado na revisão bibliográfica para o levantamento de dados e informações, acerca das Infecções Relacionadas à Assistência à Saúde (IRAS), em hospitais de todo o país, tendo como base estudos e artigos já feitos por outros pesquisadores fora do período pandêmico.

Palavras-chaves: Ares-condicionados; Infecção; Patógenos; Revisão bibliográfica.

ABSTRACT

Some bacteria, fungi and other pathogenic microorganisms are present in different places and everyday objects of people, all over the country, which facilitates the spread of these pathogens on a large scale, allowing greater contamination of patients, oral and respiratory, in contacts with the same. This fact has affected several individuals in hospital areas, aggravating their health conditions. This worsening can originate from infections, and can thus lead to death. Therefore, this occurrence needs to be studied, so that it gains greater visibility, since in these places there are people with various diseases, among them, some that cause immunosuppression. Secondary infections can also be contracted by means of mechanical ventilation in hospitals, such as ventilators and air conditioners, thus making treatment and recovery of the patient more difficult. The project in question is focused on the bibliographic review for the collection of data and information about Health Care-Related Infections (IRAS), in hospitals across the country, based on studies and articles already done by other researchers outside the period pandemic.

Keywords: Air conditioners; Infection; Pathogens; Literature review.

1- Estudante do Curso de Análises Clínicas da FUNEC  – Unidade CENTEC, Contagem – MG – Brasil, anasilvia2621@gmail.com; 2- Estudante do Curso de Análises Clínicas da FUNEC – Unidade CENTEC, leonardopedra2@gmail.com. 3 – Formado em Ciência Biológicas – UMA, Especialização em Análises Clínicas. Prof. da FUNEC/Centec, e-mail: jeffersonr2004@ig.com.br. 4.Formado em Ciências Biológicas – PUCMINAS, Pós Graduação em Microbiologia – PUCMINAS, Mestrado em Microbiologia de Alimentos-UFLA. Prof. Microbiologia FUNEC/CENTEC. Professor Titular – UIT. Coordenador Iniciação Científica – FUNEC, e-mail: rodrigo.leite@edu.contagem.mg.gov.br;

1.  INTRODUÇÃO

Os aparelhos de ventilação mecânica, como ventiladores e ares-condicionados, em hospitais, estão expostos a um ambiente susceptível à contaminação por diversos agentes patológicos que podem ser transmitidos também, por via aérea. Assim, essas infecções tendem a ser agravantes em tratamentos de indivíduos que apresentam um quadro de imunossupressão. Neste projeto, serão expostos a importância desse assunto e suas especificidades, uma vez que há poucas referências disponíveis, constatando o vínculo das superfícies de ventiladores e outros aparelhos mecânicos de ventilação com a propagação de infecções hospitalares.

2.  METODOLOGIA

  • Metodologia idealizada

Pretendia-se fazer uma identificação dos microrganismos em filtros de ares-condicionados e em ventiladores, em áreas hospitalares infantis, onde todas as coletas deveriam ser feitas com autorização do hospital, e responsáveis pelas crianças. As amostras coletadas nos aparelhos de ventilação dos hospitais deveriam ser colhidas por meio da fricção de swab e, logo após, acondicionadas em tubos de ensaio, contendo solução salina estéril a 0,85%.

As amostras deveriam ser levadas para o laboratório do CENTEC,  imediatamente   após   as   coletas, onde seriam preparadas  as  diluições decimais, para semeadura em placas de Petri, contendo Ágar Padrão de Contagem (PCA), para a contagem de mesófilos aeróbios, ficando incubadas em estufa bacteriológica por 24 / 48 horas e, Ágar Sabouroud, para fungos, mantidas em temperatura ambiente por 15 dias. Os resultados dessas contagens serão expressos em Unidades Formadoras de Colônias/cm2 (UFC/cm2).

As colônias bacterianas obtidas serão submetidas à coloração de Gram e, classificadas segundo sua morfologia e comportamento ao método.

As colônias com aspecto de bastonetes Gram- negativos seriam repicadas para Ágar Eosina Azul de Metileno, incubadas em estufa bacteriológica por 24/48 horas e, após o crescimento serão submetidas a provas bioquímicas, para identificação.

Para identificação dos cocos Gram-positivos, as colônias seriam repicadas para Ágar Manitol, incubadas em estufa bacteriológica por 24/48 horas e, após o crescimento serão realizados testes de catalase, plasma coagulase e sensibilidade a novobiocina.

A identificação dos fungos filamentosos será baseada na técnica de micro cultivo em ágar-batata dextrose, aliado à observação da morfologia macroscópica das colônias.

2.2      Metodologia adaptada

O projeto em questão foi idealizado em dezembro de  2019,  consequentemente,  fora  da  atual pandemia de Covid-19 e, sem as medidas de proteção e distanciamento social como algo presente na realidade da população brasileira. Porém, com o atual cenário mundial, a metodologia foi alterada para uma revisão da literatura de artigos e projetos já feitos na área por outros autores, a fim de reunir informações para toda a comunidade científica. Dessa forma, durante os meses de março a dezembro foi realizada a leitura de artigos e feitas análises, comparações, observações e pesquisas, onde foi possível especular acerca do estado físico dos  hospitais, e como eles se encontravam com relação a infecções secundárias, causadas por patógenos localizados em superfícies de aparelhos de ventilação mecânica.

Esperamos, futuramente, conseguir concluir os testes microbiológicos apresentados no projeto.

 

3.  RESULTADOS E DISCUSSÃO

Com base nos estudos lidos e artigos pesquisados, percebemos que, pela importância e incidência das IRAS, esse assunto ainda precisa ser mais falado e merece maior atenção, uma vez que, de acordo com dados da Organização Mundial da Saúde (OMS), em maio de 2019, 14% das internações são destinadas a pacientes com infecções hospitalares. Quanto mais cedo, hospitais, funcionários e cidadãos tomarem consciência desse fato, maior será a mobilização e iniciativa de prevenção, diminuindo, assim, o  número de casos fatais, pois, segundo a OMS, cerca de 45 mil brasileiros morrem, anualmente, em decorrência de infecções secundárias adquiridas em ambientes hospitalares.

 

 

4.  CONCLUSÃO

O projeto teve como foco a pesquisa e análises microbiológicas de superfícies em hospitais de Belo Horizonte e região, uma vez que a presença de microrganismos patogênicos nesse tipo de ambiente já foi comprovada por diversas vezes na literatura. Porém, devido à pandemia do SARS-COV-19, as coletas e análises não foram possíveis de serem realizadas, já que a locomoção aos locais de coleta, bem como o manuseio das amostras, apresentam grande risco aos alunos e orientadores envolvidos na pesquisa.

  • REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

ARAÚJO, Luan César de. Análise Microbiológica dos Filtros de Ar Condicionado das Salas da Unidade de Terapia Intensiva Pediátrica do Hospital. Palmas-TO: ULBRA – Centro Universitário Luterano de Palmas, 2016. Disponível em: < file:///C:/Users/382957/Downloads/document579a456b74ad2.pdf>. Acesso em: 28 ago. 2020.

CARDOSO, Alessandra Marques; REIS, Cleomenes. Suplemento Especial de Microbiologia e Micologia Contaminação de superfícies inanimadas de UTI por bactérias Gram negativas multirresistentes em hospital universitário de Goiânia,GO. In: RBAC, Rio de Janeiro, v.48 – n 04. Supl. 01. p 124. Ano 2016. Disponível em: < http://www.rbac.org.br/wp-content/uploads/2016/09/RBAC_-2016-supl.-01-completa-corrigida.pdf>. Acesso em: 16 set. 2020.

COELHO. AIM et al. Contaminação microbiológica de ambientes e de superfícies em restaurantes comerciais. Viçosa MG: Ciência & Saúde Coletiva, 2007. In: Cência & Saúde Coletiva, 15(Supl. 1):1597-1606, 2010. Disponível em: < https://www.scielo.br/pdf/csc/v15s1/071.pdf>. Acesso em: 14 ago. 2020.

KOCK, Kelser Souza et al. Pneumonia Associada à Ventilação Mecânica (PAVM): Incidência e Desfecho Clínico em uma unidade de Terapia Intensiva no Sul de Santa Catarina. In: Arq. Catarin Med. 2017 jan-mar; 46(1): 02-11. Disponível em: < http://www.acm.org.br/acm/seer/index.php/arquivos/article/viewFile/248/135>. Acesso em: 25 ago. 2020.

MACHADO, Paulo R.L. et al. Mecanismos de resposta imune à infecções. In: An bras Dermatol, Rio de Janeiro, 79(6):647-664, nov/dez. 2004. Disponível em: < https://www.scielo.br/pdf/abd/v79n6/a02v79n6.pdf>. Acesso em: 17 set. 2020.

NETOL, Edgard do Carmo et al. Pneumonia associada à ventilação mecânica: análise de fatores epidemiológicos na confecção de estratégias de profilaxia e terapêutica. In: Revista Brasileira de Terapia Intensiva Vol. 18 Nº 4, Outubro – Dezembro, 2006. Disponível em: < https://www.scielo.br/pdf/rbti/v18n4/05.pdf>. Acesso em: 20 set. 2020.

OLIVEIRA, Adriana Cristina de. DAMASCENO, Quésia Souza. Artigo de Revisão. Superfícies do ambiente hospitalar como possíveis reservatórios de bactérias resistentes: uma revisão. In: Rev Esc Enferm USP. 2009. Disponível em: < https://www.scielo.br/pdf/reeusp/v44n4/38.pdf>. Acesso em: 2 set. 2020.

SALES, Vanessa Maria et al. Artigo de Investigação. Análise microbiológica de superfícies inanimadas de uma unidade de terapia intensiva e a segurança do paciente. In: Referência – Revista de Enfermagem. Recife, vol. IV, n 3, Ano 2014. Disponível em: < https://www.redalyc.org/pdf/3882/388239973006.pdf>. Acesso em: 18 set. 2020.

SOUZA, Paulo Regina de. Análise microbiológica e genético-molecular da biota orotraqueal de paciente crítico: subsídios na prevenção da pneumonia associada à ventilação mecânica. Ribeirão Preto: Digital library USP – Teses e Dissertações. 2009. Disponível em: < https://teses.usp.br/teses/disponiveis/22/22132/tde-29102009-140035/pt-br.php>. Acesso em: 24 out. 2020.