REFLEXÃO SOBRE OS IMPACTOS DA REALIZAÇÃO DOS TESTES PARA COVID-19, COMO INSTRUMENTO DE PREVENÇÃO PARA A POPULAÇÃO NO BRASIL.

REFLEXÃO SOBRE OS IMPACTOS DA REALIZAÇÃO DOS TESTES PARA COVID-19, COMO INSTRUMENTO DE PREVENÇÃO PARA A POPULAÇÃO NO BRASIL.

Ângela Fátima Vieira Silva

RESUMO

Enfrentamos a maior Pandemia já vista no mundo, neste século, a qual adoece e dizima milhões de seres humanos, hoje, em 08 de novembro de 2020, de acordo com o portal RTP Notícias, o planeta registra 50.539.082 (Cinquenta milhões, quinhentos e trinta e nove mil e oitenta e dois) casos confirmados de Covid-19 e, 1.258.230 (Um milhão, duzentos e cinquenta e oito mil, duzentos e trinta) mortes. Os números de infectados e mortos não param de crescer no mundo, há mais de um semestre. Os estudos são intensos, dinâmicos, profundos e rápidos. Já existem várias vacinas contra a Covid-19, em testes mundo afora, inclusive, no Brasil, mas as testagens caminham em uma proporção de realização aquém do necessário em nosso país. Os questionamentos são diversos: Por que fazer o teste para Covid-19? O que significa, para o ser humano, realizar o teste? Os testes para Covid-19 são seguros e confiáveis? O que muda na vida do ser humano, saber o seu resultado para a infecção de Covid-19? Em uma breve reflexão, tentaremos encontrar essas respostas. Esse texto surge da nossa inquietação em entendermos as consequências de termos, ou não, o resultado positivo para a Covid-19, na atual conjuntura pandêmica.

Palavras Chaves: Teste; Covid-19; Pandemia.

ABSTRACT

We face the greatest Pandemic ever seen in the world, in this century, which sickens and decimates millions of human beings, today, on November 8, 2020, according to the portal RTP Notícias, the planet registers 50,539,082 (Fifty million, five hundred and thirty-nine thousand eighty-two) confirmed cases of Covid-19 and, 1,258,230 (One million, two hundred and fifty-eight thousand, two hundred and thirty) deaths. The numbers of infected and dead have been increasing in the world for more than a semester. The studies are intense, dynamic, deep and fast. There are already several vaccines against Covid-19, in tests around the world, including in Brazil, but the tests go in a proportion of accomplishment below the necessary in our country. The questions are diverse: Why take the Covid-19 test? What does it mean for human beings to perform the test? Are tests for Covid-19 safe and reliable? What changes in the human being’s life, knowing its result for Covid-19 infection? In a brief reflection, we will try to find these answers. This text arises from our concern to understand the consequences of having, or not, the positive result for Covid-19, in the current pandemic situation.

Keywords: Test; Covid-19; Pandemic.

1.     INTRODUÇÃO

O corpo humano, diante de uma infecção de qualquer natureza, fabrica células específicas de defesa para combatê-la, e guarda no sistema imunológico a memória do micro-organismo que será ativado quando entrar em contacto novamente com este. O processo é chamado de defesa natural. O vírus Sars-CoV-2, que causa a Covid-19, é novo para os seres humanos, os quais ainda estão criando defesa específica para enfrentá-lo, além de não possuir, até o momento, medicação específica e vacina para o combate a este patógeno.

O mundo está empenhado em encontrar a prevenção e a cura da Covid-19. Mas, para que os cientistas descubram o tratamento e a cura para esta infecção, faz-se necessário saber como funcionam o vírus e as células de defesa do organismo.

O conjunto de células, tecidos e órgãos que participam do sistema imunológico de defesa humana trabalham ordenados, para o combate das infecções por bactéria, vírus, fungos e protozoários. No caso do vírus Sars-CoV-2, sua multiplicação, processo de infecção e disseminação é muito rápido em colisão com o organismo humano que ainda não o conhece e está lentamente desenvolvendo defesa. (PORTAL GOV.BR/ANVISA, 2020).

2. SISTEMA IMUNOLÓGICO

De acordo com Rafael Barifouse, da BBC News Brasil em São Paulo (2020),

 O corpo tem barreiras mecânicas como a pele; microbiológicas como a flora de bactérias do intestino; ou químicas, como as enzimas presentes na saliva e, o suco gástrico do estômago. Se um corpo estranho consegue superar estas barreiras, cabe ao sistema imunológico nos proteger, (…) pondo em ação células específicas para combater o invasor.

Estas células são produzidas [sucessivamente] pela medula óssea, a partir de células-tronco, que estão em um estágio [primitivo] de desenvolvimento e tem [a potencialidade] de se [modificar] (…) para cumprir funções específicas.

Desta forma, as células-tronco se tornam leucócitos – ou glóbulos brancos -, que atuam em nosso sistema imunológico. Um [aumento] na quantidade de leucócitos no exame de sangue é indício de uma infecção. Se estiver abaixo do normal, o sistema imunológico está enfraquecido.

Os neutrófilos são o tipo de leucócito mais numeroso e [agem] como a primeira linha de defesa do organismo. Eles envolvem e eliminam o [patógeno] por meio da fagocitose, [estimulam] enzimas digestivas que o destroem. Também [produzem] substâncias químicas que [atraem] mais células para atacar a ameaça. Isso gera uma inflamação na região onde está o invasor. Esta área é irrigada com sangue, que traz consigo mais leucócitos para auxiliar no combate.

Outro tipo de glóbulo branco, o linfócito conhecido como natural killer (assassino natural, em inglês), age principalmente contra tumores e vírus. Ele libera grânulos de proteína ao redor do alvo que fazem o patógeno se autodestruir.

(…) os linfócitos ficam armazenados em órgãos como os linfonodos e o baço, à espera de sinais de que devem entrar em ação. (BARIFOUSE, R., 2020).

Um terceiro tipo de leucócito, o macrófago, também atua neste estágio fagocitando invasores. E, ainda segundo Barifouse (2020),

Ao final deste processo, a maioria dos linfócitos é destruída, mas alguns se diferenciam e permanecem em nosso corpo por vários anos, formando uma memória imunológica que tornará mais ágil o combate ao patógeno se ele nos infectar novamente.

As células imunes se multiplicam mais rapidamente ao detectar a mesma ameaça, o que acaba com aquela desvantagem do sistema imunológico na corrida inicial contra um invasor após a infecção. (BARIFOUSE, R., 2020).

Segundo a Anvisa (2020), “(…) nas defesas do organismo, os anticorpos do tipo IgM são os primeiros a aparecer e, por isso, estão relacionados a infecções recentes, isto é, presentes em pacientes que podem possuir o vírus”.

Temos também os anticorpos – Imunoglobulinas – que são classificadas em cinco categorias IgG, IgM, IgA, IgD e IgE. O exame de Coronavírus detecta dois tipos de anticorpos, o IgM e o IgG. (ANVISA, 2020).

3. VACINAS

Segundo Barifouse (2020),

Elas contêm versões inertes ou pouco agressivas de vírus e bactérias ou apenas uma pequena parte desses microrganismos, que não nos deixam doentes, mas estimulam a produção de anticorpos específicos para aquela ameaça. Se formos infectados por esse patógeno, o corpo é capaz de produzir mais rapidamente a quantidade de anticorpos necessários para neutralizá-lo antes que ele consiga se instalar no organismo. (BARIFOUSE, R., 2020).

No caso do Sars-CoV-2 ainda não se sabe como vai se desenvolver a imunidade corporal humana, por isso, a necessidade premente de uma vacina para ajudar na proteção contra a Covid-19.

4. TESTES

No atual contexto em que vivemos, discute-se a realização de testes para detecção da Covid-19 na população, visando obter com os resultados, medidas de proteção e diminuição da velocidade de propagação do vírus.

De acordo com a Anvisa (2020), pode-se afirmar que a realização dos testes ao longo do tempo, aliada ao histórico e ao quadro clínico das pessoas, irá possibilitar o desenho de um modelo de tratamento mais assertivo para a infecção, além de ser uma ferramenta importantíssima para definir condutas nas políticas públicas.

A Anvisa complementa que, “ainda não se sabe por quanto tempo os anticorpos IgM e IgG para Covid-19 permanecem no corpo, não é possível assegurar proteção permanente para a infecção em pacientes com resultados de IgG positivo”. (ANVISA, 2020).

Na covid-19, há o estímulo e produção de imunoglobulina IgM e IgG. E, de acordo com o Laboratório de Análises Clínicas – Hilab, “os anticorpos IgM indicam infecção na fase ativa, pois eles são os primeiros anticorpos a aparecer quando o vírus ou bactérias nocivas atacam o nosso corpo. (…) Os anticorpos IgG, também são uma resposta ao vírus, porém atuam na fase mais tardia da infecção”. (HILAB, 2020).

Para a Anvisa (2020),

Os testes rápidos para Covid-19 são produtos para diagnóstico de uso in vitro, nos termos da RDC 36/15, e podem identificar:

a) anticorpos, ou seja, uma resposta do organismo quando este teve contato com o vírus, recentemente (IgM) ou previamente (IgG);

b) material genético (RNA) ou “partes” (antígenos) do vírus (RT-PCR).

Existem os testes que usam sangue, soro ou plasma e os outros que precisam de amostras de secreções coletadas das vias respiratórias, como nasofaringe (nariz) e orofaringe (garganta).

Os testes rápidos são testes imunocromatográficos, (…) dispositivos de uso profissional, manuais, de fácil execução, que não necessitam de outros equipamentos de apoio (…) e que conseguem dar resultados entre 10 e 30 minutos.

Testes rápidos (IgM/IgG) podem auxiliar o mapeamento da população “imunizada” (que já teve o vírus ou foi exposta a ele), mas NÃO têm função de diagnóstico. Têm relevante utilização no mapeamento do status imunológico de uma população (que já teve o vírus ou foi exposta a ele). Tal mapeamento pode contribuir de forma positiva no processo de relaxamento das medidas restritivas, ou seja, quando do controle pandêmico, o mapeamento imunológico terá significativa relevância por ocasião do retorno das atividades. (ANVISA, 2020).

Realizam-se os testes para pessoas que possuam sintomas da COVID-19 há pelo menos 08 dias e o RT-PCR é realizado para confirmação e diagnóstico. E, ainda segundo a Anvisa,

RT-PCR (Reverse Transcription – Polymerase Chain Reaction) é um teste de Reação em Cadeia da Polimerase com Transcrição Reversa em tempo real que verifica a presença de material genético do vírus, confirmando que a pessoa se encontra com COVID-19. Teste padrão ouro e de antígenos com função diagnóstica, sendo o teste definitivo.

 5. ORIENTAÇÕES APÓS O TESTE.

Tabela referente aos Testes para Covid-19. Elaboração própria.

IMUNOGLOBULINA IgM + IgG – IgM + IgG+ IgM – IgG+ IgM – IgG –
Diagnóstico Infecção Fase Inicial Infecção Imune (?) Sem Anticorpos
Sintomas* Monitorar Monitorar Monitorar Monitorar
Máscaras Usar Usar Usar Usar
Isolamento** Domiciliar Domiciliar Não Não
Higiene Mãos utensílios*** Mãos utensílios*** Mãos utensílios*** Mãos utensílios***

*Sintomas: Febre alta, tosse, coriza e dificuldade de respirar.

** Isolamento: 14 dias a partir do início dos sintomas.

***Utensílios: Talheres, mesas, cadeiras, maçanetas, banheiro, roupas.

Os testes sofrem variações conforme sensibilidade, especificidade e a resposta imunológica da pessoa, bem como limitações do método de coleta e o período da coleta. Segundo o Conselho Regional de Farmácia do Espírito Santo – CRFES (2020),

O conhecimento da janela imunológica provocada pelo Sars-Cov-2 é essencial para evitar resultados falso-negativos. (…) A janela imunológica é o período entre a infecção e o início da formação de anticorpos específicos contra o agente causador. (…) No estágio inicial da infecção há ausência/baixos níveis de anticorpos, os quais não atingem o limite de detecção dos testes e, portanto, o resultado é tido como negativo. (…) um resultado positivo indica que houve exposição ao vírus, entretanto não é possível definir se há infecção ativa no momento da testagem ou se o paciente já se curou da doença. (CRFES, maio 2020).

6. CONCLUSÕES

Sem sombra de dúvidas,o teste para Covid-19 é uma ferramenta essencial para rastrear a propagação da doença, é uma vigilância sorológica local que identifica os contatos e possíveis pessoas imunes, trazendo segurança para os grupos/equipes que precisam trabalhar mais próximos. Para as pessoas, o teste é de suma importância para a preservação da vida, bem como para evitar a transmissão da infecção para outras pessoas.

Para tanto, ter conhecimento se entrou ou não em contato com o vírus, sendo este aliado à observação das respostas imunológicas do próprio corpo, possibilita a tomada de atitudes e providências devidas, conforme as indicações da ciência, para minimizar a pandemia.

O mercado conta comvárias empresas produtoras dos testes, que os aplicam, e sofrem severas fiscalizações das agências reguladoras da saúde. Os testes para o Sars-CoV-2 podem ser usados como apoio na avaliação do estado imunológico de pessoas que apresentem sintomas da COVID-19, ou não, resultando em um tratamento precoce, bem como um comportamento consciente e seguro para a própria pessoa e, com as quais ela convive. Enfim, basicamente, esse tipo de exame aponta se a pessoa teve ou não contato com o vírus.

Vale ressaltar que as ações para redução do risco de transmissão do Sars-CoV-2 dependem da participação de todos. E, ainda, que é de suma importância que os profissionais que exercem atividades essenciais sejam testados, devendo ser prioridade das autoridades competentes a aplicação dos testes para detecção da COVID-19.

7. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

1 BRASIL. MINISTÉRIO DA SAÚDE – MS. CORONAVÍRUS COVID-19: Acurácia dos diagnósticos registrados para COVID-19. Brasília: Departamento de Gestão e Incorporação de Tecnologias e Inovação em Saúde – DGITIS/SCTIE/MS, abril/2020. Disponível em: < https://portalarquivos.saude.gov.br/images/pdf/2020/April/29/Acuracia-Diagnosticos-COVID19.pdf.>. Acesso em: 28 out. 2020.

2 BRASIL. MINISTÉRIO DA SAÚDE – MS. PORTAL GOV.BR. Brasília: Agência Nacional de Vigilância Sanitária – ANVISA, 2020. Disponível em: <https://www.gov.br/anvisa/pt-br>. Acesso em: 26 out. 2020.

3 CORONAVÍRUS: Entenda como corpo se defende de ameaças como covid-19. Publicado por Rafael Barifouse, da BBC News Brasil em São Paulo, 2 março 2020. Disponível em:  <                                                                                    https://www.bbc.com/portuguese/brasil-51683620>. Acesso em: 27 out. 2020.

4 COVID-19. A SITUAÇÃO AO MINUTO DO NOVO CORONAVÍRUS NO PAÍS E NO MUNDO. Portal RTP Notícias. Publicado em 08 de novembro de 2020, às 23h27. Créditos de: Johns Hopkins University. Disponível em: < https://www.rtp.pt/noticias/mundo/a-evolucao-da-covid-19-no-mundo_i1213866>. Acesso em: 09 nov. 2020.

5 FIOCRUZ REGISTRA O EXATO MOMENTO DA INFECÇÃO DO NOVO CORONAVÍRUS EM CÉLULA… Portal VivaBem. São Paulo.  Publicado em: 08/04/2020 – 12h13. Disponível em: < https://www.uol.com.br/vivabem/noticias/redacao/2020/04/08/fiocruz-registra-o-exato-momento-da-infeccao-do-novo-coronavirus-em-celula.htm>. Acesso em: 29 out. 2020.

6 IGM E IGG REAGENTES PARA CORONAVÍRUS – Saiba orientar seu paciente. Publicado em 29/04/2020. Assistência Farmacêutica. Curitiba – PR: Laboratório HILAB, 2020. Disponível em: <https://hilab.com.br/blog/igm-igg-reagentes-coronavirus-orientar-paciente/>. Acesso em: 27 out. 2020.

7 NÚCLEO DE OPERAÇÕES E INTELIGÊNCIA EM SAÚDE- NOIS. Inteligência computacional aplicada à predição da evolução da COVID-19 e ao dimensionamento de recursos hospitalares. Rio de Janeiro:  Departamento de Engenharia Industrial e do Instituto Tecgraf da PUC – Rio/ Fiocruz/ USP/IDOR. Disponível em:      < https://sites.google.com/view/nois-pucrio > [Site Oficial]. Acesso em: 28 out. 2020.

7 ORGANIZAÇÃO PAN-AMERICANA DA SAÚDE – OPAS/OMS BRASIL. Folha informativa – COVID-19. Escritório da OPAS e da OMS no Brasil. Rio de Janeiro: Escritório Regional para as Américas da Organização Mundial da Saúde. Disponível em: <https://www.paho.org/pt/covid19#:~:text=%C3%89%20importante%20manter%20as%20medidas,lixo%20e%20lave%20as%20m%C3%A3os>. Acesso em: 27 out. 2020.

9 PORTAL CRFES.ORG. CONSELHO REGIONAL DE FARMÁCIA ESPÍRITO SANTO. Cartilha Covid-19. Publicado em 10/03/2020. Disponível em: < https://www.flipsnack.com/sheillamarias/covid-19.html>. Acesso em: 29 out. 2020.

10 PORTAL OLHAR DIGITAL. Covid-19: Brasil tem 128 mortes nas últimas 24h; total ultrapassa 162 mil. Publicado por Luiz Nogueira, editado por Cesar Schaeffer, 08/11/202. Disponível em: <https://olhardigital.com.br/coronavirus/noticia/covid-19-brasil-tem-1-233-novas-mortes-em-24h-total-de-obitos-ultrapassa-75-mil/98089>. Acesso em: 28 out. 2020. 11 TESTES PARA COVID-19: PERGUNTAS E RESPOSTAS. AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA – ANVISA. Disponível em: < https://www.aladdiv.org.br/covid-19-saiba-mais-sobre-testes-rapidos>; < http://www.fvs.am.gov.br/media/publicacao/perguntas-e-respostas-testes-para-covid-19.pdf>; <. Acesso em: 27 out. 202