AVALIAÇÃO DA ATIVIDADE ANTIMICROBIANA DO ÓLEO ESSENCIAL DE CINNAMOMUM SP. E SUA APLICAÇÃO EM SABONETES ANTISSÉPTICOS

AVALIAÇÃO DA ATIVIDADE ANTIMICROBIANA DO ÓLEO ESSENCIAL DE CINNAMOMUM SP. E SUA APLICAÇÃO EM SABONETES ANTISSÉPTICOS

Raquel da Silva Silveira1, Julyana Sena de Souza2, Luciana Godoy Pellucci de Souza3, Emerson Willian Bechler4

RESUMO

Óleos essenciais, derivados de diversas plantas, possuem propriedades analgésicas, relaxantes e até mesmo estimulantes de circulação periférica. As diferentes espécies de canela produzem o eugenol e cinamaldeído, óleos essenciais com propriedades antissépticas. A canela, além de ser uma matéria prima acessível e barata, tem um grande potencial antimicrobiano que pode ser base para novos produtos antissépticos, além de ser uma matéria orgânica e, por essa razão, apresentar menor risco de intoxicação e impactos ambientais. Baseando-se nessas propriedades, este projeto visa a comprovação da capacidade antimicrobiana do óleo essencial de Cinnamomum cassia, espécie escolhida por ser mais acessível, e a possível criação de uma formulação de um sabonete antisséptico a partir de seu óleo. Para a obtenção dos resultados, foi preciso fazer a revisão bibliográfica das plantas, observar como é feita a extração do óleo essencial da canela. Foram feitos testes com a microbiota da mão, testes com o método de Gram para qualificar os microrganismos e o teste qualitativo do óleo para testar sua eficiência. A próxima parte do estudo buscaria apresentar uma opção de cosmético antisséptico de base orgânica, reproduzir testes com o produto e comparar com sabonetes antimicrobianos já existentes no mercado.

Palavras-chave: Canela, Cássia, Cinnamomum cassia, Óleo essencial.

ABSTRACT

Essential oils, derived from different plants, have analgesic, relaxing and even stimulating properties for peripheral circulation. The different species of cinnamon produce eugenol and cinnamaldehyde, essential oils with antiseptic properties. Cinnamon, in addition to being an accessible and inexpensive raw material, has a great antimicrobial potential that can be the basis for new antiseptic products, in addition to being an organic material and, for this reason, presenting less risk of intoxication and environmental impacts. Based on these properties, this project aims to prove the antimicrobial capacity of the essential oil of Cinnamomum cassia, a species chosen because it is more accessible, and the possible creation of a formulation of an antiseptic soap from its oil. To obtain the results, it was necessary to do a bibliographic review of the plants, observe how the essential oil extraction from cinnamon is made. Tests were carried out with the microbiota of the hand, tests with the Gram method to qualify the microorganisms and the qualitative test of the oil to test its efficiency. The next part of the study would seek to present an option of organic-based antiseptic cosmetics, reproduce tests with the product and compare with antimicrobial soaps already on the market.

Keywords: Cinnamon, Cassia, Cinnamomum cassia, Essential oil.

  1. INTRODUÇÃO

Os óleos essenciais são compostos de álcoois simples, aldeídos, cetonas, fenóis, ésteres e ácidos orgânicos, substâncias que possuem efeitos sobre sentidos organolépticos e a microbiota, por isso são usados na aromaterapia com diversas finalidades, também como analgésicos, relaxantes, antioxidantes, sedativo, antinflamatórios, estimulantes do sistema circulatório. Segundo Santos, Piccoli e Tebaldi (2017) “Eles podem estar presentes em todos os órgãos de plantas, incluindo botões, flores, folhas, sementes, ramos, caules, flores, frutos, raízes ou casca, mas geralmente estão armazenados em células secretoras, cavidades, canais, tricomas glandulares ou células epidérmicas” (SANTOS, PICCOLI E TEBALDI, 2017).  Dentre as propriedades dos óleos essenciais está a antimicrobiana, sendo assim capaz de inibir ou retardar o crescimento de fungos e bactérias.

A canela é rica em óleos essenciais, eugenol e cinalmadeído, já conhecidos pelo potencial microbicida. Neste estudo foram considerados três espécies de canela: Cinnamomum zeylanicum, Cinnamomum verum e Cinnamomum cassia, na qual foi escolhida a última por ser mais acessível e largamente encontrada em mercados, sendo a mais comum no consumo doméstico.

Segundo Ecycle (2014),

Antigamente, o sabonete era composto, basicamente, por ingredientes bem inusitados: gordura animal e cinzas da lenha. Atualmente, o número de substâncias utilizadas no sabonete aumentou bastante e muitas delas podem ser prejudiciais. Sabonetes com pH alcalino podem causar irritação e ressecamento na pele, e alguns tensoativos utilizados podem causar alergias. Qualquer produto de higiene causa algum tipo de impacto ambiental. O importante é sempre ponderar o uso e fazer escolhas certas. As preferências são dos produtos cosméticos naturais. No Brasil, os cosméticos naturais são certificados e seguem os padrões de qualidade do IBD Certificações e da Ecocert. Todos os sabões, quando lançados nos corpos hídricos, causam um processo de eutrofização, mas, quanto mais componentes sintéticos eles contiverem, maior o impacto causado. (ECYCLE, 2014).

O projeto visa comprovar essa característica do óleo da canela e utilizar isso a favor produzindo um cosmético de base orgânica, de forma mais natural possível. A utilização de um material orgânico se dá a preocupação de disponibilizar um produto que seja eficaz e cause o mínimo de impactos ambientais e intoxicações.

2. METODOLOGIA

2.1 Extração do Óleo Essencial da Cinnamomum cassia

Foram realizadas tentativas de extração pelos métodos de arraste a vapor e soxhlet.

Entretanto, o baixo rendimento do processo e o tempo de extração inviabilizaram o processo de extração, por isso, optou-se por utilizar um óleo essencial comercial.

2.2 Microbiota da Mão

Esse procedimento foi feito para determinar, caracterizar e quantificar as bactérias presentes na mão quando está suja, lavada com sabão neutro e limpa com álcool 70.

Primeiro, dividiu-se a placa de ágar chocolate de em 3 setores: I (mão suja), II (mão lavada) e III (mão com álcool 70); Sem lavar as mãos, abriu-se a placa próximo a chama do bico de Bunsen e, tocou-se o dedo indicador no setor I; Lavou-se as mãos demoradamente (3 a 5 minutos) com água e sabão neutro. Enxugou-se as mãos com toalha estéril e, tocou-se com o mesmo dedo indicador no setor II; aplicou-se o álcool 70 nas mãos, esperou-se secar naturalmente e, tocou-se no setor III; Repetiu-se o procedimento de forma a obter os resultados em triplicata; o material foi incubado a 37°C por 72 horas.

Procurou-se caracterizar a flora da pele das mãos com a finalidade de isolar um morfotipo bacteriano e investigar sua susceptibilidade ao óleo essencial da Cinnamomum cassia .

2.3 Método de Gram

Foi feito para qualificar as bactérias presentes nas mãos, para isso utilizou-se morfotipos diferentes de colônias de bactéria. O procedimento de cada colônia foi feito separadamente.

Dissolveu-se a colônia em água estéril; aplicou-se na placa, perto da chama do bico de Bunsen; esperou-se secar; Corou-se na solução de cristal violeta durante 1 minuto; lavou-se com água corrente; deixou na solução de lugol por 1 minuto; lavou-se com água corrente; diferenciou-se com álcool-acetona por 10 segundos; lavou-se com água corrente; corou-se por 30 segundos com fucsina; lavou-se em água corrente; secou naturalmente e observou-se na objetiva de imersão.

2.4 Teste Qualitativo do Óleo de Canela

Procedimento feito para testar a eficiência do óleo essencial de Cinnamomum cassia.

Escolheu-se uma colônia bem isolada da microbiota da mão (leitosa) e dissolveu-se em 1mL de água destilada estéril; colocou-se na estufa a 37°C por 1 hora; dividiu-se a placa de Ágar Mueller-Hinton em 3 setores I (água destilada estéril), II (óleo) e III (nada); esfregou-se a colônia por toda a placa, perto da chama do bico de Bunsen e deixou-se secar com a placa entreaberta; no setor I foi esfregado a água destilada estéril; no setor II foi esfregado 10 microlitros do óleo essencial de Cinnamomum cassia; deixou-se na estufa por 48 horas.

3. RESULTADOS E DISCUSSÃO

3. 1 Microbiota da Mão

Placas ágar chocolate – Triplicata

São apresentados a seguir, os dados relativos á contagem das colônias:

Tabela 1: Dados referentes à Placa 1 – Autoria própria

Setor Colônias Características
I 4 amarelas, 6 leitosa Côncavas e brilhantes
II 2 leitosa Côncavas e brilhantes
III 4 leitosa Côncavas e brilhantes

Tabela 2: Dados referentes à Placa 2 – Autoria própria

Setor Colônias Características
I 18 amarelas, 1 leitosa Côncavas e brilhantes
II + de 43 leitosas Côncavas e brilhantes
III 3 amarelas, + de 29 leitosas Côncavas e brilhantes

Tabela 3: Dados referentes à Placa 3 – Autoria própria

Setor Colônias Características
I 5 amarelas, 4 leitosa Côncavas e brilhantes
II 7 leitosa Côncavas e brilhantes
III 4 leitosa Côncavas e brilhantes

O teste apresentou resultados comuns, onde se pode observar as diferentes espécies de microrganismos e a variação que se apresenta em indivíduos diferentes. As colônias serviram de base para testes posteriores.

3. 2 Método de Gram

Em ambas as colônias foram apresentados cocos em todas as formações, com predominância de gram positivos, o que é comum na microbiota da mão. As colônias leitosas foram isoladas para realizarmos o teste com o óleo de canela, buscando observar a susceptibilidade dessas bactérias frente à substância.

3. 3 Teste Qualitativo do Óleo de Canela

As placas apresentaram crescimento microbiano normal, menos na área II, onde foi colocado 10 microlitros do óleo essencial, tornando o resultado satisfatório e comprovando que o óleo de canela tem ação como antisséptico.

4. CONCLUSÕES

O projeto conseguiu explorar a área da química e da farmácia que possibilitou um estudo aprofundado em torno dos óleos essenciais e suas propriedades, e de como podem ser aproveitadas da indústria de cosméticos. Foi possível compreender que existe uma teoria aprofundada e fundamentada em qualquer tipo de produto e método.

O óleo essencial de canela isoladamente apresenta in vitro ação sobre bactérias gram positivas presentes nas mãos, como foi comprovado no estudo. Entretanto é sabido que são necessários mais testes que identifiquem melhor a bactéria estudada, quantifique a concentração inibitória mímima do óleo e identifique a melhor formulação de sabonete para produção de um produto anti-septico além de  testes de controle de qualidade que devem ser realizados.

Embora tenhamos ainda um longo caminho nessa pesquisa, o trabalho apresentou resultados inspiradores a partir de um produto de origem natural e deu uma abertura para futuros tópicos a serem estudados e objetivos a serem alcançados.

5. REFERÊNCIAS

BBC BRASIL. Superbactérias avançam no Brasil e levam autoridades de saúde a correr contra o tempo. Disponível em: <https://www.bbc.com/portuguese/brasil-40561948>. Acesso em: 06 dez. 2018.

DIAS, Diogo Lopes. “Destilação por arraste de vapor”. Portal Brasil Escola. Disponível em: <https://brasilescola.uol.com.br/quimica/destilacao-por-arraste-vapor.htm>. Acesso em: 06 dez. 2018.

NASCIMENTO, J. M. L. D. et al. Ação Antimicrobiana de Óleo Essencial Frente a Cepas Bacterianas Contaminantes de Alimentos. In: Acta Veterinaria Brasilica, [S.L], v. 8, n. 3, p. 221-225, 201./dez. 2018. Disponível em: <file:///C:/Users/micro/Downloads/4314-Texto%20do%20artigo-15738-1-10-20150205.pdf>. Acesso em: 06 dez. 2018.

RODRIGUES, Luciana. Atividade Antimicrobiana de Óleos Essenciais sobre Clostridium Botulinum Inoculado em Mortadelas. Repositório UFLA, Lavras- MG, p. 1-99, 201. undefined. Disponível em: <http://repositorio.ufla.br/bitstream/1/10551/1/DISSERTA%C3%87%C3%83O_Atividade%20antimicrobiana%20de%20%C3%B3leos%20essenciais%20sobre%20Clostridium.pdf>. Acesso em: 06 dez. 2018.