Entrevista com Camila e Júlia

Nomes: Camila Kathleen Aquino Silva e  Júlia Gabriela Machado da Silva

Título do Projeto: Identificação microbiológica em banheiros da FUNEC – CENTEC e seus riscos para transmissão de infecções urinárias.

Orientador: Rodrigo Lobo Leite                

Coorientadora: Helena Gadetto Lages dos Reis

Ocupação atual: Graduandas em Terapia Ocupacional pela UFMG

1 – Qual a foi a importância do PIBIC-Jr na sua formação acadêmica?

Participar do PIBIC-Jr trouxe uma bagagem repleta de conhecimentos e experiências com relação à vida acadêmica e metodológica. Aprendemos: a escrever um projeto e depois direcioná-lo para um artigo; a produzir hipóteses; a realizar as práticas; e a produzir e discutir os resultados.  E sabemos que tudo isso nos impulsionou para a formação acadêmica, uma vez que a academia nos cobra produções de textos, leitura de artigos, e etc.; coisas que fizemos durante o processo de realização do projeto. Pensamos que ter participado do PIBIC-Jr nos trouxe habilidades e conhecimentos importantes que foram e estão sendo facilitadores e essenciais para nossa caminhada acadêmica.

2 – O que representa a  publicação de seu artigo na revista Eletrônica da Atena Editora?

Durante o processo de realização da nossa pesquisa nunca pensamos que poderíamos chegar tão longe. Sabíamos que era um bom tema e nos dedicamos 100%, mas ainda sim não cogitamos essa possibilidade. E talvez por este fato que ficamos tão extasiadas e contentes com a publicação do nosso artigo na revista eletrônica da Atena Editora. Essa publicação, para nós, demonstra que todo nosso esforço foi válido, que todo o trabalho que tivemos valeu a pena. Foi gratificante, e nós nos sentimos muito gratas. A publicação de um artigo é um marco na vida daqueles que pesquisam e uma maneira de compartilhar o conhecimento adquirido; e por isso podemos dizer que a publicação do nosso artigo na Atena Editora é uma marca que para sempre iremos carregar com muito orgulho e satisfação.

3 – Como se sente em relação ao Distanciamento Social e como isso está afetando sua vida estudantil?

O isolamento social é necessário no momento para conter o avanço exacerbado da doença e a superlotação do sistema de saúde do país. Contudo, está sendo um momento de alteração da rotina e de ansiedade, uma vez que não sabemos ao certo quanto tempo a situação durará. Diante disso, ficamos impossibilitadas de prosseguir com as aulas presenciais, ocasionando o atraso das atividades acadêmicas. Portanto, mesmo com a possibilidade de continuar com alguns estudos e cursos online em casa, nem sempre há o resultado esperado devido à angústia causada pelo contexto atual.

4 – Você acredita que é possível fazer pesquisa mesmo estando em isolamento social?

A pesquisa em sua parte teórica possui atributos e características que permitem a ela uma realização mesmo perante o isolamento social. A base bibliográfica de uma pesquisa pode ser revisada e o projeto pode ser escrito durante este período. Contudo, sabe-se que pesquisas podem possuir partes práticas, o que pode ocasionar o “ir à campo”. Alguns resultados podem depender de coletas de dados indo à campo, ou até mesmo depender da realização de técnicas em laboratório (como o caso da nossa pesquisa) que dependeria da saída até esse local. Dessa forma, percebe-se que a pesquisa em partes pode ocorrer mesmo perante o isolamento social, mas é válido compreender que determinadas práticas podem não caber neste sistema.

5 – Qual a relevância do tema para a comunidade em geral?

Como os banheiros são locais insalubres cujo as pessoas utilizam com grande frequência, há a possibilidade de contaminação e provável risco de infecções urinárias. Assim como foi demonstrado através dos resultados da nossa pesquisa, os quais mostraram a presença de microrganismos responsáveis por tais infecções. Dessa forma, é de suma importância a atenção na higienização, tanto pessoal quanto do local. Essa questão tem sido bastante discutida no contexto atual de combate ao Covid-19, haja vista a importância da higienização das mãos como uma das formas de evitar a contaminação e propagação do vírus. Portanto, os resultados e discussão da nossa pesquisa apontam maneiras de promoção de saúde da comunidade, uma vez que relatam e incentivam a realização dos cuidados para alcançar a salubridade.

6 – O que você diria para os outros estudantes em relação a sua experiência em fazer pesquisa?

A realidade mais visível é que a partir da primeira pesquisa nós percebemos a vontade e talvez necessidade de pesquisar mais. Nós, desde a realização do PIBIC-Jr, nos sentimos extasiadas e gratas pela oportunidade de pesquisar e contribuir com novos conhecimentos para a sociedade. Acreditamos que pesquisar é descobrir, e nós precisamos sempre descobrir. É imprescindível pesquisar, uma vez que tal ato traz conhecimentos novos, medicamentos novos, técnicas novas; o que nos permite transformar e ressignificar a vida.